Método Bobath

Vacina da Gripe: o que você precisa saber
Vacina da Gripe: o que você precisa saber
8 de outubro de 2020
Metodo Bobath

Historicamente, os distúrbios do movimento de crianças com paralisia cerebral têm sido tratados com diferentes intervenções de reabilitação, incluindo o Conceito Bobath. Esse método foi desenvolvido na década de 1940 pelo Dr. Karel e Berta Bobath (neuropsiquiatra e fisioterapeuta) e, desde então, vem sendo utilizado por terapeutas em todo o mundo. 

Entenda o Conceito Bobath

O conceito de Bobath visa melhorar a função motora grossa e o controle postural, facilitando a atividade muscular por meio de pontos-chave de controle assistidos pelo terapeuta. 

Embora o conceito básico não tenha mudado, ele evoluiu para refletir os desenvolvimentos na compreensão da disfunção do movimento em crianças com danos ao sistema nervoso central. 

Em 1960, os Bobaths mudaram o nome do conceito para tratamento neuroevolutivo (ou NDT – neurodevelopmental treatment); este termo é usado principalmente na América do Norte. Na literatura científica, ambos os termos (o conceito de Bobath e NDT) são usados ​​para descrever a mesma intervenção.

O conceito Bobath é atualmente definido como uma ‘abordagem de solução de problemas’. É usado no manejo e tratamento de crianças que apresentam distúrbios de função, movimento ou controle postural por causa de danos no sistema nervoso central.

A abordagem não envolve exclusivamente os problemas sensório-motores dos pacientes. Envolve toda a pessoa, incluindo os problemas emocionais, sociais e funcionais que o indivíduo enfrenta em seu dia a dia. Também envolve o gerenciamento de problemas relacionados ao desenvolvimento da criança, incluindo deficiências na percepção e cognição. 

Os terapeutas que utilizam o método devem observar, analisar e interpretar o desempenho da tarefa antes de iniciar ou adaptar o tratamento. A abordagem é individualizada e adaptada aos problemas, objetivos e metas específicos de cada criança.

Elementos-chave do Método Bobath

Os elementos-chave do conceito são: facilitação (usando entradas sensoriais para melhorar o desempenho motor), gerenciamento do comportamento motor compensatório e uma estratégia de gerenciamento geral (uma abordagem de gerenciamento interdisciplinar). 

Durante o manuseio, o paciente deve estar ativo enquanto o terapeuta o assiste. O terapeuta auxilia o paciente a se mover usando pontos-chave de controle, como a cabeça, ombros e pelve, e orienta o movimento do todo corpo.

Envolve posturas e movimentos específicos da tarefa. Centra e enfatiza as atividades funcionais e a participação em situações relevantes da vida diária. O principal objetivo do método é melhorar a qualidade de vida dos pacientes com lesões neurológicas, otimizando seu nível de atividade e participação.

Os terapeutas preparam atividades para melhorar funções específicas da criança no presente. No entanto, os terapeutas também irão preparar a criança para funções específicas que ela precisará desenvolver em um futuro próximo. Isso inclui uma análise minuciosa de cada tarefa, levando em consideração as necessidades de cada criança.

O Contexto Familiar no Conceito Bobath

As atividades também devem ser praticadas no contexto familiar para que a aprendizagem possa ocorrer. 

Portanto, os membros da família e outros cuidadores recebem educação nos princípios da técnica, que muitas vezes inclui programas escritos para serem realizados em casa. 

O objetivo deste tratamento contínuo é maximizar a qualidade dos movimentos e a transferência de habilidades funcionais para diferentes ambientes, incluindo a casa da criança, a pré-escola, a escola e os ambientes comunitários.

Muitas pessoas com danos neurológicos, incluindo vítimas de acidente vascular encefálico, podem se beneficiar do método, independentemente de sua idade ou da gravidade de sua lesão neurológica. 

No tratamento de crianças com paralisia cerebral, o conceito pode ser usado sozinho ou com outras técnicas associadas.

Como a intervenção funciona?

Durante as sessões de avaliação e tratamento, o terapeuta interage com a criança de forma dinâmica e recíproca. Esse manuseio e interação terapêuticos ativam o processamento sensóriomotor ideal, o desempenho de tarefas e a aquisição de habilidades e, em última análise, leva a criança a participar de atividades significativas e a alcançar uma melhor qualidade de vida.

Em outras palavras: a técnica usa inputs aferentes para reeducar os sistemas de referência internos do paciente para permitir que ele ou ela tenha mais escolhas de movimento e maior eficiência de movimento.

A intervenção funciona por meio da aprendizagem de atividades funcionais, que envolvem componentes sensoriais, perceptivos e adaptativos. 

As atividades devem envolver experiência sensóriomotora porque o aprendizado vem da percepção do movimento. 

O tratamento é uma abordagem prática centrada no cliente que visa melhorar a função motora grossa em crianças e adultos com problemas neurológicos (como paralisia cerebral) e, assim, melhorar sua independência em uma variedade de contextos. Ao estimular a ação muscular desejada, os padrões de movimento anormais podem ser corrigidos e os padrões de movimento normais que conduzem à realização das atividades diárias restaurados. 

Entendeu como funciona o Método Bobath

O terapeuta planeja o trabalho preparatório necessário (por exemplo, alongamento muscular) para permitir que o cliente execute a tarefa e irá facilitar e guiar o movimento conforme necessário para diminuir ou prevenir comportamentos, posturas e movimentos que possam interferir nas habilidades funcionais do bebê ou criança. O terapeuta fornece menos orientação e assistência à medida que o bebê ou criança assume e antecipa as necessidades posturais e motoras.

É necessário participar de extenso treinamento para se aplicar a técnica. Utilizam-se recursos com bolas, rolos, espelhos e outros itens durante a terapia.

Fontes:

Dos Santos CG, Pagnussat AS, Simon AS, Py R, Do Pinho AS, Wagner MB. Humeral external rotation handling by using the Bobath concept approach affects trunk extensor muscles electromyography in children with cerebral palsy. Research in Developmental Disabilities 2015;36:134–41.

International Bobath Instructors Training Association. Theoretical assumptions. www.ibita.org/

Bobath B. Adult Hemiplegia: Evalution and Treatment. 3rd Edition. Oxford: Butterworth‐Heinemann, 1990.

Veličković TD, Perat MV. Basic Principles of the Neurodevelopmental Treatment. Rijeka: Croatian Medical Association, 2005.

Mayston MJ. The Bobath Concept ‐ its evolution and application. Movement Disorders in Children. International Sven Jerring Symposium, 1991 August 25‐29; Stockholm. Basel: Karger Medical and Scientific Publishers, 1992; Vol. 36:1‐7.

Parker C, Grimenstein J. Routes to functional outcomes. NDTA 2012 Annual Conference. Proceedings of the Neuro‐Developmental Treatment Association Annual Conference; 2012 May 17‐20; Anaheim, California. 2012.

Graham JV, Eustace C, Brock K, Swain E, Irwin‐Carruthers S. The Bobath concept in contemporary clinical practice. Topics in Stroke Rehabilitation 2009;16(1):57‐68. 

Kollen BJ, Lennon S, Lyons B, Wheatley‐Smith L, Scheper M, Buurke JH, et al. The effectiveness of the Bobath concept in stroke rehabilitation: what is the evidence?. Stroke 2009;40(4):e89‐97.

Mayston M. Bobath concept: Bobath@50: mid‐life crisis ‐ what of the future?. Physiotherapy Research International 2008;13(3):131‐6.

Gjelsvik B. The Bobath Concept in Adult Neurology. Stuttgart: Thieme Medical Publishers, 2008.

Tecklin JS. Pediatric Physical Therapy. 4th Edition. Baltimore (MD): Lippincott Williams & Wilkins, 2008.