HIPERIDROSE PRIMÁRIA

vacina aos 2 meses de vida
A importância de iniciar as vacinas aos 2 meses de vida
9 de julho de 2020
Centro de Vacinação
Centro de Vacinação Bozelli
21 de julho de 2020
Hiperidrose

1) O que é hiperidrose?

Hiperidrose ou hiper-hidrose é uma desordem caracterizada por suor excessivo, que afeta aproximadamente 2 a 3 % da população, na China temos trabalhos recentes demonstrando um número maior de afetados, chegando ate a 4,5%.

Sintomas

Embora não se conheça exatamente o mecanismo ou as causas pelas quais isto ocorre, em alguns indivíduos o suor intenso nas mãos, nos pés, nas axilas ou na face e torna-se incontrolável.

Os sintomas da face podem ou não vir acompanhados de rubor facial, sentimento de embaraço e, frequentemente, de uma forte ânsia de escapar da situação que os originou. Todo este quadro caracteriza uma situação denominada “fobia social”. Nessas ocasiões existe um aumento da atividade do sistema nervoso simpático, que faz parte do chamado sistema nervoso autônomo sobre o qual não temos controle.

2) Como podemos entender este sistema nervoso autônomo? 

 Apenas como informação adicional, saiba-se que o corpo humano possui dois tipos diferentes de sistema nervoso: o somático e o autônomo. O sistema nervoso somático é de controle voluntário, dando-nos as sensações de dor, calor, posição do corpo, tato etc…, além de nos permitir controlar os músculos que nos movem para as diferentes posições que desejamos.

O sistema nervoso autônomo é involuntário, isto é, regula muitas das funções do nosso organismo sem o controle da nossa vontade, como por exemplo, o ritmo da respiração, dos batimentos cardíacos e a produção de suor, função essa diretamente ligada à regulação da temperatura corporal.

Pacientes com hiperidrose, ou seja, que suam muito além da necessidade para a regulação da sua temperatura, geralmente sentem-se constrangidos ou se consideram impedidos de exercer atividades sociais corriqueiras como apertar as mãos de outras pessoas, escreverem, dançar, etc…

As crises podem ser precipitadas por estresse ou emoções, mas também, podem ocorrer espontaneamente, isto é, sem a presença aparente de qualquer fator desencadeante.

3) Quais são os tipos de tratamentos clínicos que existem para a hiperidrose?

Em todo o mundo já foram e estão sendo tentados inúmeros tratamentos clínicos para a hiperidrose, mas todos eles são paliativos e de efeito temporários, poucos definitivos, mas sempre são inicialmente propostos para uma melhor seleção dos pacientes.

O procedimento cirúrgico é considerado depois de algumas tentativas, mas pode ser no final encarado como definitivo. As opções não-cirúrgicas para o tratamento da hiperidrose e incluem: tratamentos dermatológicos pela aplicação de soluções ou cremes adstringentes; a iontoforese (banhos elétricos com água salgada na área afetada), que pode reduzir o suor em áreas específicas, mas apenas por um período de 6 horas a uma semana; a injeção de toxina da bactéria “Botulinus” (Botox) sob a pele pode funcionar por 4 a 6 meses, mas são necessárias muitas aplicações (injeções) em cada local.

Recentemente temos medicamentos de uso contínuo, que controlam estes efeitos deletérios do suor excessivo na vida social, profissional, emocional e apresentam-se com bons resultados quando corretamente indicados e controlados.

4) Existe tratamento cirúrgico para a hiperidrose primária?

A hiperidrose pode ser curada ou amenizada retirando-se os nervos que regulam a sudorese/rubor das mãos, das axilas e do rosto com o procedimento chamado de simpatectomia torácica endoscópica bilateral. A opção pelo tratamento cirúrgico depende do grau ou intensidade dos sintomas do paciente, já que medições objetivas da sudorese e do rubor facial não têm importância significativa e são difíceis de ser quantificadas. Os efeitos esperados do procedimento devem ser pesados contra os riscos de possíveis complicações e efeitos colaterais. Cirurgias torácicas prévias, obesidade, idade avançada e outras doenças associadas reduzem as chances de sucesso da operação e aumentam o risco de complicações. Não se recomenda o tratamento cirúrgico para pacientes que estejam 15% ou mais acima do seu peso ideal, devido à dificuldade e/ou impossibilidade de identificação da cadeia simpática na operação e resultados com maior índice de complicações neste grupo de pacientes. Após emagrecimento adequado, a cirurgia poderá ser novamente cogitada.

Entendendo a Hiperidrose Primária:

A hiperidrose primária é uma doença de herança genética, autossômica recessiva, de reentrância incompleta que afeta aproximadamente 2 a 3% da população brasileira. É caracterizada pelo suor excessivo, muito além das necessidades fisiológicas principalmente nas mãos, axilar, pés e região craniofacial.

Atinge em igual proporção homens e mulheres, caracteristicamente na infância e ou adolescência, causando muito desconforto, social, psicológico, de trabalho, sobretudo reduzindo e muito a qualidade de vida de todos os pacientes com esta sintomatologia.

A finalidade do nosso tratamento é orientar e encontrar a melhor solução clínica e ou cirúrgica para que estes pacientes voltem a ter um convívio social adequado e uma boa qualidade de vida. 

EPIDEMIOLOGIA

• Episódios prévios de sudorese excessiva no próprio paciente e ou em algum familiar; 

• Necessidade de consultas sobre o tema neste último ano;

• Início da queixa é muito importante;

• Medicações em uso, principalmente as usadas para outras patologias;

• Outras doenças associadas; como processos infecciosos, obesidade, ansiedade e ou depressão;

• Baixa aderência aos tratamentos anteriores;

• Alteração da qualidade de vida e da dinâmica familiar.

Ficou alguma dúvida sobre as principais características sobre a hiperidrose e as formas de tratamento disponíveis? Deixe seu comentário abaixo que respondemos!